MRail: avaliação de impactos da circulação na via

O MRail é um equipamento formado por um par de câmeras e lasers ligado a um computador para armazenamento dos dados, mas você conhece a aplicabilidade deste recurso na MRS? Quando o conjunto é instalado em um vagão operacional (GDU), uma série de dados e indicadores são gerados por meio da medição do impacto da composição na via, o que permite que sejam feitas diversas análises para a tomada de decisão.

“A função principal é medir o desnivelamento vertical da via em diferentes velocidades e com carregamento padrão. Assim, as medições serão provenientes de esforços reais e na mesma magnitude de trens de minério que circulam ao longo da malha da MRS. Para viabilizar as medições do vagão instrumentado com o MRail, deve-se formar um trem especial, que, no caso da MRS, é composto por uma locomotiva e quatro vagões, sendo um deles o instrumentado”, complementa o especialista ferroviário Lucas Valente.

Vagão durante processo de instrumentação, na oficina

O projeto permite que, a partir das informações obtidas, seja avaliada a gestão da manutenção de via permanente e de seus componentes, como dormente, lastro, talas e soldas; sejam estudados e analisados os dados de entrada para o simulador de dinâmica veicular (VAMPIRE); e complementados os testes de impacto dinâmico nas obras de arte (Infraestrutura).

Precisão e detalhamento

Os valores obtidos por meio dos sensores são complementares às medições de desnivelamento vertical realizadas pelo TrackStar, veículo de inspeção de via.

“A distinção entre os resultados acontece devido à presença de carga na composição que circula com o vagão instrumentado (MRail) e, com isso, as pequenas irregularidades verticais presentes na via permanente já identificadas nas medições do TrackStar são ainda mais evidenciadas, principalmente em piores condições do lastro. Logo, o MRail consegue captar de forma mais intensa alguma irregularidade, complementando as medições do TrackStar”, explica o fiscal de campo da Cobrapi Fellipe Castro.