Inovação: ferroviários participam de evento promovido pela CNI

O Programa de Imersões em Ecossistemas de Inovação, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), chegou à sua 24ª edição e, ao final de abril, os colaboradores da MRS foram os protagonistas do evento, que teve duração de uma semana e roteiro nas cidades de Florianópolis (SC) e São Paulo (SP). Os ferroviários foram os primeiros a viver a experiência de forma presencial depois de flexibilizadas as restrições relacionadas à pandemia da Covid-19. O grupo conheceu o que há de mais avançado em termos de ciência, tecnologia e inovação, por meio de visitas a indústrias, laboratórios, centros de pesquisa, universidades, startups, polos de inovação e institutos de tecnologia e inovação.

“Esta é a primeira vez que fazemos o programa de imersões. Está sendo uma grata surpresa. A CNI conseguiu trazer ótimos players complementares para nos conectar e foi tudo muito organizado. Está sendo de muito valor e a gente pretende fazer mais conexões e novas jornadas de imersão com a CNI”, comentou o gerente geral de Transformação Digital, Guilherme Delgado.

CONFIRA, NA ÍNTEGRA, A CURTA ENTREVISTA GRAVADA DURANTE O EVENTO:

As imersões são marcadas por apresentações das tecnologias que estão na vitrine e das inovações que vêm sendo desenvolvidas, além da troca de experiências entre participantes, palestrantes e representantes dos locais visitados. Muitas dessas visitas resultam em parcerias empresariais ou mesmo despertam nos gestores e empresários ideias a serem implementadas.

 

COM A PALAVRA, QUEM VIVEU A EXPERIÊNCIA

O grupo que participou do evento foi composto por ferroviários de diversas áreas da MRS. Ao final, além do aprendizado, fica a certeza das boas oportunidades de aplicação na empresa.

“Essa semana exponencializou minha visão de como diferentes atores – institutos de tecnologia, universidades, empresas de diferentes tamanhos e órgãos governamentais – atuam na promoção da inovação impactando Brasil e mundo. Vi estruturas físicas e laboratórios de classe mundial, pesquisa e desenvolvimento em tecnologias de software, IoT e materiais. Eu, pessoalmente, percebi melhorias necessárias no meu comportamento e modo de pensamento para que possa viver a mudança que espero ver. E acrescento que, mais do que tudo que fomos expostos, questionamos e aprendemos, a troca intensa entre as pessoas da MRS que participaram foi diferencial. Voltamos energizados e com muitas ideias para acelerar a transformação da MRS.” (Renata Sá – Especialista de Transporte Ferroviário)

 

“O programa de imersão da CNI nos possibilitou vivenciar diferentes perspectivas da inovação e nos permitiu enxergar como a MRS pode se inserir num ecossistema que vai muito além da ferrovia ou da logística. Outro fato que chamou a atenção foi como a inovação está sustentando a estratégia das empresas para os desafios e incertezas dos próximos anos.” (Bernardo Abreu – especialista em Planejamento)

 

“Achei incrível a experiência de participar da imersão com o ecossistema de inovação, uma vez que permite a conexão e visualização de como podemos incrementar nossos processos e apoiar cada vez mais a inovação, com parcerias com universidades e unidades EMBRAPII, bem como ver algumas novas tendências e tecnologias que tem total sinergia com nossas dores ou projetos que estamos desenvolvendo, como as aplicações de IA (inteligência artificial) ou de vídeo analítico.” (Érica Alvim – analista de Planejamento Programação e Controle de Manutenção)

 

A IMERSÃO

Iniciativa da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), o programa teve agenda composta por uma série de visitas: unidades do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), a Fundação Certi, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), o InovaUSP, a Siemens Mobility, o ThinkLab da IBM, o Centro de Experiências Científicas e Digitais da BASF (Onono), a Wise, o MetroLab e a Learning Village.

 

No Onono (Basf), por exemplo, os participantes foram apresentadas às tecnologias e inovações desenvolvidas para clientes e aos produtos desenvolvidos no local, um centro tecnológico projetado para responder de maneira ágil às demandas do mercado, com laboratórios de pesquisa e testes de produtos, conectividade, digitalização de processos e design. Já na IBM, houve apresentações sobre inteligência artificial, computação quântica e segurança cibernética. O grupo passou, também, por áreas de energia, bionanomanufatura e tecnologias digitais do IPT.

“O programa busca criar oportunidades para que o empresariado se atualize em relação aos temas de maior relevância para a competitividade de seus negócios. Também estimulamos a cooperação em pesquisa, desenvolvimento e inovação, seja no Brasil ou no exterior”, afirma a diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio.

O programa de imersões da CNI tem mais três edições já confirmadas para 2022, sendo a próxima em Israel, no mês de junho. Para saber mais sobre o programa, clique aqui.

| Publicado em maio de 2022