05.10.2018 às 09:40

MRS marca presença na 4ª edição da ABM Week

Participação do nosso presidente em um debate sobre infraestrutura logística foi um dos destaques

Por Flávia Junqueira

Aconteceu nesta semana, em São Paulo, a ABM Week: o principal evento da América Latina nas áreas de metalurgia, materiais e mineração. Trata-se de um dos setores mais importantes para a MRS, tendo em vista que alguns dos nossos principais clientes fazem parte deste segmento e estavam presentes. Nós, naturalmente, não poderíamos ficar fora dessa. O evento estimula o fortalecimento e a aproximação das principais áreas da cadeia produtiva do setor.

A relevância da ABM Week para a geração de conhecimento e de inovação foi enfatizada por Sérgio Leite de Andrade, coordenador geral do evento e presidente da Usiminas:

“Eventos como esse são fundamentais para ajudar as empresas a estarem prontas para um novo ciclo de desenvolvimento que deve ter início a partir de 2019”, disse.

Um dos grandes destaques da 4ª edição do evento, foi o debate “Roda Viva – Infraestrutura Logística Brasileira”, ocasião na qual o segmento de logística foi muito bem representado por alguns dos players do mercado, que representaram os modais ferroviário e rodoviário, cabotagem e governo.

Visando discorrer sobre temas de interesse comum e gerar contribuições para o setor, o debate trouxe à tona vários temas-chave como a renovação da concessão, aplicação do modelo de operador ferroviário independente, importância da integração das malhas, multimodalidade, crescimento da cabotagem, impactos da greve dos caminhoneiros e da tabela de fretes.

Foi consenso que a intermodalidade é essencial para uma logística mais eficiente, agregando valor para todos os envolvidos e para a economia do país. No que tange às ferrovias, segundo a ANUT, Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga, de 7% a 8% do transporte ocorre em tráfego mútuo. A expectativa é a de que, com a prorrogação das concessões, ocorra mais integração entre as malhas, naturalmente, o direito de passagem ganhará ainda mais relevância nesse contexto.

Representando a MRS e o setor ferroviário, Guilherme Mello, destacou várias operações intermodais de sucesso que a empresa vem desenvolvendo com parceiros logísticos para alavancar os resultados da companhia e ressaltou que acredita que esta é a chave para o sucesso. Destacou ainda que, anteriormente à concessão à iniciativa privada, transportávamos, aproximadamente, 95% de cargas da categoria Heavy Haul (minério de ferro, carvão e coque) e 5% de Carga Geral. Hoje atingimos a marca histórica de 30% na Carga Geral e a tendência para os próximos anos é a de que esse share não pare de crescer.

Outro tema abordado durante o debate foi a cabotagem (navegação entre portos do mesmo país) que, apesar das dificuldades que enfrenta, tem crescido dois dígitos nos últimos anos, principalmente, neste período de crise. Segundo o Ilos, Instituto de Logística e Supply Chain, players desse setor captam cada vez mais clientes que, hoje, têm 4% do seu transporte feito pela cabotagem e há projeções de aumento desse percentual para 7%. Um dos nossos cases de sucesso, que envolvem a cabotagem, é o transporte de TVs de plasma da Zona Franca de Manaus para a região de Campinas, no estado de São Paulo.

Apesar de 60% das rodovias estarem em péssimo estado, segundo estudo da CNT, Confederação Nacional do Transporte, a malha rodoviária é predominante no país. Atualmente, o modal rodoviário assume dois papeis bem distintos se posicionando, ao mesmo tempo, como concorrente para a ferrovia e à cabotagem, mas também como parceiro em várias ocasiões.

A MRS tem buscado cada vez mais soluções com parceiros logísticos, abrindo oportunidades com novos terminais e captando cargas em regiões que anteriormente não faziam parte do mapeamento, é o caso de Itutinga, Sete Lagoas e Jundiaí, só para citar alguns exemplos.

Outro assunto discutido no debate foram os efeitos da greve dos caminhoneiros para a logística nacional. Muita gente não sabe, mas muitas empresas, que não consideravam a ferrovia na sua cadeia logística, passaram a desenvolver soluções utilizando o modal ferroviário. Neste sentido, a MRS tem buscado soluções para aumentar, ainda mais, a atratividade da ferrovia, como a criação dos trens de grade fixa (com horários de partida e chegada pré-definidos), novos modelos operacionais, além de várias outras ações para atender as necessidades dos nossos clientes.

Quer que a ferrovia faça parte da sua cadeia logística? Então entre em contato com a gente neste link!

Por MRS