Debates construtivos marcam encontro entre ferroviários das áreas de Engenharia de Transportes

Representantes de quatro ferrovias se reuniram para trocar experiências e conhecimento

Parte da equipe da Gerência Geral de Engenharia de Transportes foi até a sede da Rumo, em Curitiba (PR), para participar de um encontro específico, com representantes dessa mesma área de outras ferrovias. O workshop aconteceu nos dias 20, 21 e 22 de novembro e contou com a participação de ferroviários da própria Rumo, que neste ano sediou o evento, da Vale Carajás e da Vale Vitória-Minas para debater sobre eficiência energética e de operações, segurança operacional e melhoria da condução de trens.

“Essa troca de experiências é muito rica para todos, pois conseguimos consolidar conceitos,  conhecer novos modelos, estratégias e ideias que podem complementar nossa gestão sobre esse tema de extrema relevância. Um dos fatores em que a MRS se destaca é a qualidade da condução realizada pelos nossos maquinistas, com foco em melhoria contínua, garantindo economia de combustível”, pontua o gerente da área de Engenharia e Normatização de Operações, Edilson Fonseca, que participou do encontro acompanhado de Bernardo Abreu, Enio Gomes e João Pimentel.

No primeiro dia de workshop, foram apresentadas as evoluções de cada ferrovia no que diz respeito ao indicador de eficiência energética. Na MRS, por exemplo, o indicador melhorou, considerando somente os últimos cinco anos, 7,05%, o que gera uma economia  de cerca de R$ 12,5 milhões considerando a produção de 2019. Além disso, foram discutidas boas práticas para a redução de gastos com combustíveis.

“O Trip é uma ferramenta que auxilia o maquinista na condução do trem e já é uma realidade em diversas ferrovias do mundo, inclusive na Vale Carajás. Na MRS, está na fase de engenharia, etapa em que, em parceria com o fornecedor, são feitas viagens para parametrização do software de modo a garantir os padrões de segurança e a aderência às boas práticas de condução”, explica o coordenador da área de Engenharia de Operações Bernardo Abreu.

Com relação a ferramentas de análise de viagens, fundamentais para compreensão da operação e identificação de melhorias, Abreu destacou o Sistema de Informação da Condução (SIC), que facilita a percepção sobre a segurança das viagens e foi desenvolvido pela própria MRS, diferentemente da solução usada pelas outras ferrovias participantes, que é contratada.  Segundo o coordenador, a troca de experiência é sempre construtiva, pois permite que todos conheçam o que há de melhor em cada sistema.

Já no último dia, parâmetros e regras para formação dos trens foi o tema mais presente na troca de experiências.

“Temos um trabalho muito forte na linha de maximizar o peso do trem em função da relação HP/Tonelada transportada, o que resulta diretamente na economia de combustível. E ,somente em 2019, promovemos junto às equipes de Operação de Trens de São Paulo uma evolução nos trens agrícolas de todas as origens”, destaca o especialista ferroviário Enio Gomes. “Em outra linha, estamos testando trens maiores, como o de minério formado com 272 vagões, o que nos traz outros ganhos operacionais. A implementação de melhorias desse tipo passa por uma série de cálculos e simulações antes de serem validadas nos testes de campo, quando analisamos eficiência energética, transit time e outros parâmetros relacionados à manutenção”, explica Gomes.

A previsão, segundo os participantes, é de que os workshops aconteçam novamente em 2020, dando continuidade ao compartilhamento de informações que contribui para a evolução e o aperfeiçoamento do transporte ferroviário de carga no país.

Por MRS