Ferroviários representam MRS em evento sul-americano na capital paulista

Anualmente, profissionais especializados em manutenção metroferroviária reúnem-se no Simpósio Internacional de Confiabilidade (SIC), evento que acontece separadamente em cada continente. Na edição sul-americana de 2018, que aconteceu na última semana, entre os dias 8 e 10 de agosto, Gustavo Presto, Arthur Filgueiras e Sérgio Rossignoli, da área de Engenharia de Confiabilidade em Eletroeletrônica, representaram a MRS com apresentação de um painel e um trabalho. O tema desse ano foi “Confiabilidade e transformação digital: A inovação para a Gestão de Ativos”.

Segundo colocado na avaliação dos painéis, Gustavo Presto abordou, junto ao co-autor Sérgio Rossignoli, o Diagnóstico Autônomo de Falhas em Máquinas de Chave. Segundo o estagiário de Engenharia de Confiabilidade de Eletroeletrônica, a ideia foi propor uma forma para diagnosticar falhas em máquinas de chave elétricas por meio de análise da corrente do motor.

“As máquinas de chave são responsáveis pela movimentação dos aparelhos de mudança de via (AMVs) e, através desses equipamentos, veículos ferroviários podem se deslocar de uma linha para outra. Devido à repetitividade das operações, à exposição constante a intempéries, aos esforços mecânicos intensos, a condições adversas da via permanente e ao vandalismo às vezes identificado, as máquinas de chave estão propensas a falhas. A identificação dos primeiros sinais de anomalia permite, justamente, que adotemos ações preditivas para reduzir custos relacionados à manutenção e à troca de equipamentos, elevar a confiabilidade do ativo monitorado e aumentar a produtividade do operador”, explica Presto.

Com a aplicação do algoritmo de machine learning random Forest, aliado a um extenso banco de dados de operações de máquinas de chave, foi desenvolvido um software de diagnóstico autônomo de falhas para aplicação em quatro modelos elétricos sensorizados. Além das máquinas de chave, o algoritmo de inteligência artificial ainda pode ser aplicado a outras áreas, como de locomotivas (análise química do óleo lubrificante para motores), vagões (Supersite), via permanente (análise de ponto ótimo de substituição de componentes da via com base em informações do Trackstar e MTBT) e eletroeletrônica (circuito de via).

Já o trabalho apresentado pelo analista Arthur Filgueiras e pelo coordenador Sérgio Rossignoli, recebeu o nome de Estudo de Produtividade LCCA Baterias – Ensaios Acelerados por Estresse de Temperatura em Aplicações Ferroviárias. Os autores explicam que as baterias representam um desafio tecnológico em relação à capacidade de armazenamento e à conversão de energia e têm grande importância em diferentes aplicações ferroviárias, seja em sistemas de energia ou de sinalização.

“O principal desafio no estudo de confiabilidade, disponibilidade e manutenção das baterias está relacionado à crescente demanda de operação em relação às atuais limitações tecnológicas. Sendo assim, uma vez que os estresses de temperatura compreendem o modo de falha principal para as baterias, através do desenvolvimento de uma estratégia de teste de vida acelerada otimizada, a projeção dos custos de manutenção pode ser avaliada para um determinado período de forma satisfatória. Esse trabalho foi construído com base em métodos LDA e RAM e em simulações de Monte Carlo na tentativa de validar o custo mínimo de substituição por unidade para este ativo”, pontua Filgueiras.

Para Sérgio Rossignoli, coordenador da área, a sensação que fica é a de orgulho e satisfação com o resultado dos trabalhos apresentados, já que ambos foram destaque no evento.

“Foi muito gratificante termos o painel classificado como segundo lugar na votação entre os melhores e a palestra ressaltada pelo diretor presidente da Reliasoft – atual Compass – como exemplo de estudo pelo uso de toda a metodologia de engenharia de confiabilidade, bem como aplicação de ensaios de vida acelerado para análise da vida útil do ativo”, destaca.

Valendo prêmio

O analista ferroviário Arthur Filgueiras participará, junto do especialista ferroviário Jean Tavares, de um outro evento, na próxima semana, também em São Paulo (SP). A dupla apresentará, na 24ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, que acontece entre 21 e 24 de agosto, dois trabalhos, elaborados independentemente, que figuram entre os concorrentes a premiação: Modelagem de Baterias Chumbo-ácido em Aplicações Ferroviárias via Otimização por Big Data e Alternativas para Substituição de Painéis de Aço em Vagões, respectivamente.

O evento organizado anualmente pela Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (Aeamesp) tem como tema desse ano “A evolução passa por aqui”, buscando valorizar a ação dos atores do setor, desde a implantação do primeiro metrô do Brasil, 50 anos atrás, até os dias de hoje. Um dos objetivos é alinhar todos os envolvidos para que essa evolução, que se deu no âmbito de atendimento, serviços, tecnologia e desenvolvimento urbano, seja ampliada para a construção de um futuro mais promissor. Mesmo sendo um evento com foco no transporte metroviário, a apresentação dos trabalhos desenvolvidos pelos ferroviários da MRS mostra a interação entre os setores e a qualidade dos estudos.

Por MRS